sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Voltando ao Treino: Powerlifting e Aeróbio




Por: Carlos Daniel Llosa


Depois de um merecido descanso após o RUM, volto aos treinos... na bicicleta!


Por que na bicicleta? Você levantou a bicicleta, o que um powerlifter está fazendo numa bicicleta?

Resumo: o treino aeróbico é de benefício para atletas de força. Isso tem a ver com aquelas coisas nas quais você deveria ter prestado atenção durante a aulas de bioquímica, mas achou que não serviam pra nada e foi beber cerveja. Se você está treinando com cargas razoavelmente altas, provavelmente terá algum benefício se adicionar uma pequena quantidade de cardio na semana. A parte médica: isso faz bem pra saúde, manter-se vivo é legal e condição "sine qua non" para ser powerlifter.

Já se foi o tempo no qual o powerlifter era uma criatura gordinha, sempre suando e ofegante com o menor esforço. Hoje em dia vemos pessoas em forma, com pouca gordura e condicionadas fisicamente.

O treino de força, ainda mais para atletas de alto nível, é metabolicamente muito exigente. Uma serie de 5 ou 8 no agachamento com 180 kg requer um gasto energético muito grande num intervalo de tempo curto. Certamente uma grande parcela dessa energia será gerada por vias anaeróbicas (não pelas razões que você provavelmente acredita, mas isso fica pro próximo post). Mas qual sistema você acha que vai gerar ATP entre uma série e outra? Até mesmo durante uma série mais longa, muito do ATP é gerado pela fosforilação oxidativa.

Assim sendo, não faz sentido treinar essa via metabólica? Certamente faz.

O HIIT está de moda, e é um tipo de treino que gera resultados quando feito de maneira correta (às vezes as pessoas convenientemente esquecem que o High Intensity, lembram só da parte do Interval).

No entanto, HIIT é um treino bem pesado, e para um atleta avançado, um atleta que já está gastando quase todos sua capacidade recuperativa no treino específico de seu esporte, adicionar uma ou duas sessões de HIIT na semana pode exceder as capacidades recuperativas do mesmo.

Então sobra o bom e velho treino aeróbico. Mas por que bicicleta?
O treino na bicicleta tem uma característica interessante pro atleta de força: não tem componente excêntrico. Assim, há pouca reação inflamatória local, o que é bom para um atleta já treinando no seu limite. Há outras opções certamente (andar na esteira com peso nas costas, kettlebells) mas isso são detalhes que eu deixo pra gente como Hugo Quinteiro. Também deixo na mão do Hugo e pessoas igualmente qualificadas a determinação de duração, intensidade e como adequar os dois tipos de treino numa preparação competitiva

No entanto, não podemos esquecer que, como eu sempre digo, morte é um processo eminentemente catabólico. É parte do trabalho do médico do esporte manter seu atleta saudável e de preferência vivo. O treino de força é fundamental para a saúde, mas um atleta de força já o realiza, então cabe ao mesmo tentar realizar um pouco de treino cardiovascular para manter-se saudável.

seja o primeiro a comentar!