quarta-feira, 28 de outubro de 2015

A Louca



“Todas (as mulheres) são loucas, filho. Você só precisa encontrar a louca certa para você.”


Inicio esse texto por uma citação do avô de um cara que considero um grande amigo. Acho que ele exemplifica, apesar da simplicidade da frase, o quão complexo é um relacionamento. Encontrar a pessoa certa que entenda sua loucura é, hoje, o grande desafio desse milênio. Digo isso porque hoje vivemos no que eu chamo de uma pandemia de síndrome do centro do mundo.


As pessoas, auxiliadas pela facilidade da internet e dispositivos móveis como smartphone, têm acesso remoto a redes sociais e, dentro dessas redes, criam um mundo completamente a favor de tudo aquilo que acham certo e acreditam. Bloqueiam qualquer “interferência” ou um discurso que é diferente daquilo que acreditam. Não debatem, não procuram entender o porquê da outra pessoa ter um ponto de vista diferente dela. O dedo vai rapidamente na tela e bloqueia ou “desamiga”  a pessoa. Pronto! A opinião diferente, o problema alheio e a resolução de conflitos não fazem parte do mundo das pessoas portadoras dessa “síndrome do centro do mundo”.


Se isso for atrelado a alguma ideologia política então, é o cenário perfeito pra acirrar ainda mais o ódio de classes presente na atual política brasileira mas esse não é o foco desse texto.  O foco hoje é entender como isso afeta os relacionamentos atuais e como torna as pessoas descartáveis e sem conteúdo efetivo apesar da extrema facilidade de acesso a informação de qualidade. Um relacionamento de verdade é mais do que sair, se divertir, viajar, ir em festas, postar fotos cheias de frases prontas carinhosas em redes sociais para mostrar para os “amigos”. Relacionamento é entender o mal humor alheio, lidar com problemas que você não teria se não estivesse com a pessoa, aguentar mal humor, ser o primeiro a ouvir um desabafo ou aguentar uma explosão de raiva sem ter culpa nenhuma e, mesmo assim, ainda estar disposto a dividir momentos com a pessoa.


Relacionamento de verdade não é ser feliz o tempo todo. Não é como a linha do tempo do seu instashit onde a felicidade e intensidade artificial cria um ambiente em que qualquer um parece viver uma vida de realização de sonhos, infinitas conquistas e superações e relacionamentos perfeitos em que um nasceu para o outro e se amarão para sempre. Relacionamento de verdade implica em aceitar diferenças (grandes diferenças) ideológicas e da forma de lidar com problemas cotidianos. É pagar contas, enfrentar transito, filas, mal humor da pessoa e lidar com as suas loucuras. Sim.. somos todos loucos.
Me preocupa esse atual cenário pois, do jeito que está a maneira com que as pessoas interagem socialmente (através de redes virtuais de conteúdo selecionado pelo usuário), perderam a habilidade de lidar com as diferenças e lidar com o cotidiano. Isso cria relacionamentos descartáveis. Pessoas fúteis interessadas em exibir o namorado(a) como um troféu. Troféu pra familia, pros amigos e, principalmente, pra causar inveja àqueles que a pessoa não gosta.
Sim, criou-se uma geração de idólatras. E o ídolo da vez é a reputação. É mais importante quem tem mais seguidor, quem tem uma mídia maior ou quem atinge mais pessoas. Isso transforma uma pessoa comum em alguém importante. E importância gera status social e status social precisa cumprir obrigações sociais. Dentro das obrigações sociais está um relacionamento “perfeito”. É isso: nesse novo modelo de relações sociais, o relacionamento cumpre um papel dentro da construção do status. Estar sozinho é visto como algo infeliz e incompleto. Uma falha do status social.

Penso que hoje, dentro desse fenômeno que está dominando a maioria das pessoas, não me vejo em um relacionamento de novo. Sou uma pessoa de difícil convivência, que mantém uma carreira de atleta de alta performance e lida diariamente com superação, dor e sacrifícios pessoais e financeiros para sustentar isso. Enfim, um estilo de vida ainda menos comum que a maioria. Me pergunto, as vezes, quem aceitaria e estaria disposta a dividir isso tudo.  Acho que ninguém. Discutir problemas e soluções então? Só em sonho.


Já pensou que louco seria uma pessoa que te escutasse e você a escutasse, dividisse responsabilidades, apoiasse seu projeto de vida e tivesse um projeto de vida próprio pra você apoiar, lidasse junto com você com burocracias, estabelecesse metas e prioridades juntos, ficasse de mal humor mas te aguentasse no seu mal humor, que tenha problemas pra resolver mas que entenda e apoie a resolução dos seus problemas, que risse junto, dividisse o momento de sair com o momento de ficar em casa, saísse sem a necessidade de levar você a tiracolo pra exibir como um troféu para os outros e nem pra cumprir o maldito status social… Enfim… alguém que fizesse você esquecer a necessidade de postar em rede social uma felicidade que não existe para obter seguidores que não acrescentam nada na sua vida real. Será que existe uma pessoa tão louca assim?

seja o primeiro a comentar!